sexta-feira, 6 de maio de 2011

Espera.


Espera que pela retina vem,
O choque,
De uma vida assim,
Feita pelo peito refém.

Espera que dela jorra,
Escorre o amargo,
De uma dor,
Que a vida retém.

Espera, desespera,
Faz do agora,
O ambiente,
Do além.

Espera ardor nos olhos,
Que de balsamo,
Uma crua paz,
Que o outrora retém.

Espera alma,
Geme espírito,
Esse gozo virá,
Pois enfim o Eterno vem, amém.


Thiago Mendes

2011